sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Nota de esclarecimento

Blog passando por momento sem inspiração, apesar da vida cultural continuar.

Voltaremos em breve.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Culturais

Faz tempo que não resenho minha programação cultural aqui no blog. E bom que venho pensando em fazer resenha de viagens também, ainda mais depois das minhas últimas férias. Enfim, planos. Mas vamos ao que interessa.
-------------
Verdes campos irlandeses
Na última sexta-feira, tive o grato prazer de ir ao espetáculo teatral Pedra nos Bolsos, no Teatro Poeira, aqui no Rio de Janeiro. Em cartaz durante os meses de julho e agosto, a peça conta a história de uma pacata cidade no interior da Irlanda que serve de cenário para uma grande produção hollywoodiana. Os fatos narrados, com base no texto de Marie Jones, mostram o impacto no dia a dia da pequena vila, onde quase todos os seus habitantes são parentes.

No palco, show de interpretação de Luiz Furlanetto e Paulo Trajano, dirigidos por David Herman. Eles interpretam cerca de 15 personagens, mas passam a maior parte do tempo como os figurantes Charlie e Jake, que tentam ganhar a féria do dia em meio ao cotidiano da vila, que não se altera (muito). Isso até o clímax, quando surge a justificativa para o nome Pedras nos Bolsos.

A trama vai evoluindo de forma compassada, com picos de emoção graças ao jogo de luzes e uma bela trilha sonora, além dos próprios atores. O cenário simples, mas tão bem aplicado do próprio diretor, nos leva aos campos irlandeses. Todo esse clima ajuda a compor e mudar os personagens, pois não há troca de roupa no palco. Muda-se tom de voz, postura, feições. Os recursos da ótima iluminação de Wilson Reiz ajudam a marcar o momento de trocar. Há diálogos protagonizados pelos atores e seus próprios personagens. E não fica com cara de monólogo. Há um “outro” em cena.

Para quem possui mais curiosidade sobre a peça, ela foi escrita por uma britânica tentando criticar o universo do grande cinema, que esquece a arte pelas gordas cifras financeiras. Pedra nos Bolsos já foi encenada na Broadway, com ótimas críticas. Aqui no Brasil, não está sendo diferente. A montagem do David é de encher os olhos e não deixa nada a desejar.

Serviço
PEDRAS NOS BOLSOS - Comédia
Temporada: de 02 de julho a 29 de agosto
Local: Teatro Poeira - Rua São João Batista, 104 - Botafogo – Rio de Janeiro - RJ
Telefone: (21) 2537.8053
Horário: sexta e sábado às 21 horas/domingo às 19 h
Preço: sexta R$ 30,00/Sab. e dom. R$40,00
Lotação: 180 pessoas
Duração: 80 minutos
Classificação etária: 12 anos
Horário da bilheteria: de terça a sábado de 15h às 21 h e domingo de 15h às 19h

-------------
Mais que bem amado
Ainda dando continuidade à programação cultural, que havia ficado de lado tanto no blog como em minha vida, ontem pude conferir a pré-estreia de O Bem Amado, de Guel Arraes. Um dos filmes brasileiros mais esperados do ano traz a história da eleição de Odorico Paraguaçu ao posto de prefeito da cidade de Sucupira, no litoral nordestino. Com o roteiro baseado no texto de Dias Gomes e que imortalizou Paulo Gracindo na produção televisiva, Guel chamou um elenco de peso para levar mais um sucesso para as telonas.

Com uma interpretação magnífica, Marco Nanini dá vida a Odorico, que se elege com promessas de construção do primeiro cemitério da cidade, mas Sucupira é tão pacata que falta morto. Denúncias de corrupção n a construção do novo lar dos mortos e o desespero de Odorico para enterrar o primeiro morto da cidade dão vida à trama. As perseguições políticas a Odorico dão o time certo para as piadas, além de criar os melhores discursos na melhor aplicação do estilo “estrogonoficamente sensível”. Antes da telona, Nanini deu vida a Odorico no teatro, o que lhe valeu para a criação de novos trejeitos, afastando-o do imortal Odorico de Gracindo.

A trama conta com um desfile de nomes e suas grandes interpretações, com destaque para o novo trio das Irmãs Cajazeiras, formado por Zezé Polessa, Andréa Beltrão e Drica Moraes. Quem também não deixa nada a desejar é Mateus Nachtergaele, dando vida a Dirceu Borboleta, empregado exemplar da prefeitura de Sucupira. José Wilker como Zeca Diabo é outro show de interpretação, mostrando todo o talento de meu conterrâneo.


Odorico e as Cajazeiras

Mas como nem tudo são flores, há a presença de Tonico Pereira como Vladmir, dono do jornal A Trombeta e maior inimigo político de Odorico, responsável por todas as denúncias na sociedade sucupirense. Nada contra o ator, que tem seus méritos, mas me cansa vê-lo em cena. Em minha modesta opinião, ele sempre constrói seus personagens da mesma forma, seja na tevê, cinema ou teatro. Não há grandes diferenças entre Vladmir e Mendonça, de A Grande Família. Exceto pela própria história de seus personagens.

A produção de O Bem Amado conta com Paula Lavigne a frente de tudo. Tanto que a trilha sonora foi toda produzida por Caetano Veloso, seu ex-marido, mas eterno parceiro de trabalho. Novas músicas e novos arranjos dão uma graça e um ritmo para a boa edição da trama. A vontade é de sair direto do cinema para comprar o CD e ficar ouvindo o jingle da candidatura de Odorico, que conta com as vozes de Thalma de Freitas e Nina Becker, musas da Orquestra Imperial.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Nordestino e com orgulho

Nem sei muito bem porque resolvi escrever estas linhas. Não sei se vale entrar na onda. Acho que vai mais como desabafo por algo que li ontem. Uma matéria no UOL falando sobre preconceito na rede contra nordestinos no país. Ainda mais com base em uma grande tragédia que assola a região: as chuvas e os alagamentos em Alagoas e Pernambuco.

Na reportagem, um grupo de pessoas que vivem em São Paulo fala sobre o medo de uma invasão nordestina na cidade, de virarem mendigos etc. Não sei se todos são paulistanos. Mas acredito que se esquecem de suas origens básicas. São Paulo foi construída com a imigração e a migração que recebeu e recebe até hoje. A cidade é o maior centro urbano do país e um dos maiores do mundo, atraindo não apenas os nordestinos.

Fico cansado com essa ladainha de pessoas que preterem outras por conta de sua origem geográfica. Isso não diz nada sobre ninguém e nem nunca vai dizer. Que esquecem em um dos “caras” da década no mundo saiu de uma cidade no interior de Pernambuco e virou presidente da nação. Não me importa se gosta ou não de sua administração, mas é um bom exemplo para falar de onde alguém pode chegar. Fora outros exemplos.

O Nordeste não é apenas sinônimo de praias e seca, além de carnaval. Há tanta riqueza naquela região. Cultura, culinária, minérios, agricultura, pecuária, pessoas. Somos um único país com 26 unidades federativas e um distrito federal. Inúmeros climas e geografias.

Nem sei se consegui transmitir isso, mas me irrita o contato, mesmo com grande distanciamento de pessoas de mentes pequenas e que não enxergam dois dedos na frente dos olhos. São essas as pessoas que vão levar o país à frente? Preconceito dessa forma é crime. Estou cansado de ver e ouvir isso. Muito mais de sentir, pois, como nordestino e vivendo no Rio de Janeiro, já fui vítima. Não só em piadinhas e comentários, pois há como diferenciar o tom. Já fui vítima em seleção de emprego, em aluguel de apartamento etc. Fatos não faltam. O que falta é vergonha na cara para as pessoas.

Sinto-me orgulhoso de minha origem. Totalmente favorável à troca cultural dos povos. Fora xenofobia.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Mais umas de filho do meio

Todo mundo fala sobre as características de ser primogênito, filho do meio ou caçula. Os prós e os contras de quem nasceu primeiro, por último ou entre os dois. Mas, psicólogo de mim mesmo, já vinha pensando sobre mais características além das relatadas por especialistas. Afinal, é um depoimento de um nativo. E com certas particularidades que escapam a muitos.

No auge de meus 29 anos recém-completados, sempre me analisei muito e alguns acontecimentos recentes me fizeram enxergar mais características, que em parte vejo relacionada com o fato de ser filho do meio, nascido entre um irmão quatro anos mais velho e uma irmã caçula 10 minutos mais nova. Isto mesmo, sou gêmeo bivitelino. Tudo isso fez com que eu possuísse certas características que analiso agora e que podem ser aplicadas em várias outras situações e para várias outras pessoas.

Não querer estar só – Como dividi tudo em minha vida desde o parto, sempre desejo a companhia de alguém. Primeiro dia de aula nunca foi traumatizante. Coleguinhas novos sempre vieram, mas sabia que teria a companhia de minha irmã e vice-versa. De alguma forma, isso foi fácil. Mas adulto e com atitudes bem diferentes, continuo a passar pelo dilema de fazer certas coisas sozinho. E olhe que adoro minha companhia. Passei mais de um mês viajando só. Diverti a mim mesmo, mas sempre me limitava a certos programas. Noitada nunca foi meu forte sozinho. Acho que é a síndrome do primeiro dia de aula e de ver novos rostos.

Coisas de segunda mão – Como meu irmão é o primogênito, sempre herdei suas coisas. De brinquedos a roupas. Lógico que tive meus ganhos diretos, mas a maior parte das quinquilharias, que adentraram em minha vida, foi de segunda mão. Vale até para as roupas de primo um pouco mais velho. Nunca me importei muito. Até cheguei a disputar camisas com meu irmão, de querer usar as suas coisas. Vislumbrei outro dia isso quando peguei umas roupas usadas de um amigo. Não vi e não vejo problema. Há quem não goste. Eu curto, pois sai até mais econômico. Não é pão-durice, pois compro quando necessário. Gosto de ter coisas novas. Mas não me incomodo em ter peças usadas.

Chamar a atenção – Pelo fato de estar entre um irmão mais velho e uma irmã mais nova, acredito que sempre necessitei de um pouco mais de atenção, chegando a provocar as situações. Não é a toda que eu era o mais arteiro dos primos, perdendo apenas para uma prima. O detalhe é que vivíamos juntos, sinônimo de casa destruída. Mas essa característica de chamar a atenção vem da necessidade de aparecer depois dos feitos dos irmãos. Pelo fato de ter o mesmo sexo do mais velho e o oposto da caçula, acredito que quem nasce com esta condição também passa por isso, além da herança de roupas. Necessidade de autoafirmação para ter vez e voz e nunca ficar jogado de escanteio. Porém, nunca usei isso para o mal. Sempre fui comportado (na medida do possível). Mas vejo isso de forma diferente na fase adulta. Necessito disso de alguma forma, nem que seja com um relato semelhante ao que contam em uma rodinha de amigo. Preciso me mostrar. Não de forma negativa ou intencional. Por vezes, fico me ordenando para me conter e não me expor. Depois brigo comigo por ter feito mais do que deveria. Assim por diante. Nem sempre dá para comentar tudo. Isso tem que virar meu mantra.

Total independência – É fato que os filhos do meio são mais independentes que o restante. Eles precisam se virar mais nos 30 que os outros. Até para chamar a atenção acima. Quando veem que não há escapatória e que precisam tomar as atitudes, o sentimento de independência é bem mais forte. Não há quem passe a mão na cabeça. De certa forma, você se enxerga só no mundo e tem que se virar para sobreviver. Muitos criticam meu sentimento de total independência, de não consultar ninguém. Mas isso está introjetado. E quando fica mais forte, você acaba sendo líder ou tratorando* a situação. Chega a ser engraçado, pois mesmo em minha total independência, há certas coisas que não me vejo fazendo só tão facilmente, conforme a primeira característica apresentada.

Imperativismo – Por conta da independência e da necessidade de se impor para ter vez e voz, já que escutam o primogênito e o caçula, a pessoa adquire o tom imperativo em suas falas. Pelo menos eu tenho. Não há alteração no tom da voz, mas a forma como se fala parece que se está brigando, quando não o é. Notei isso em uma conversa com uma amiga de trabalho, que disse que eu não gritasse ou brigasse com ela, que não havia motivo. E perguntei quem estava brigando com quem. Foi ai que notei o tom imperativo em minha fala. Acredito que também venha do tempo de pintar o sete, quando toda a culpa recaia sobre mim, mesmo não tendo sido eu o autor de tamanha arte. Fica como mecanismo de defesa.

Sei que venho tentando ter consciência de tudo isso em meu dia a dia para evitar constrangimentos ou uma boca grande quando participar de certas conversas. Por vezes, há má interpretação de quem escuta. Também não é justificativa para os atos. Mas pode servir como meio para a compreensão do porquê de certas coisas. Afinal, isso pode acontecer com qualquer um, mesmo com quem não seja filho do meio.

* Tratorar – gíria utilizada para designar quando alguém toma conta da situação e dita as regras ou o que vai ser feito. Não chega a ser ditadura, mas a pessoa fica com uma liderança mais extremada.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

O Brasil parou ...

Acredito ser um dos poucos brasileiros que não se empolga em ver jogo do Brasil na Copa do Mundo. Tanto que estou no meu computador do trabalho, escrevendo este post. Todos a mirarem a televisão e eu a ver as letras surgirem numa página do Word. Queria ver isso também em outros eventos esportivos, não somente no futebol.

Acredito que venha daí o meu desgosto com a seleção brasileira masculina de futebol. A supervalorização de algo que não mexe em nada com nossas vidas, exceto com o humor de muitos. Fora isso, não há tantos acréscimos. Sei da indústria por trás disso. Não a que exporta jogadores, mas a que garante a sobrevivência de inúmeras famílias que vivem da formalidade e da informalidade das atividades paralelas.

Olho ao meu redor e vejo apenas seis pessoas que não estão a ver o jogo. Brasil e Portugal. Vale a primeira colocação no Grupo G da Copa do Mundo da África do Sul. Todos se entendem em campo. Afinal, eles nos deram a língua portuguesa e nos fizeram a maior nação dela.

190 milhões de brasileiros contra 11 milhões de portugueses. Mais de 17 vezes mais na população. Duas nações que dependeram e que dependem ainda uma da outra. Por muito tempo, nos nossos tempos de colônia, fomos siameses. Afinal, éramos uma só unidade.

Vindo para o trabalho hoje, vi que todos estavam de verde e amarelo pelas ruas. Metro vazio, ruas esvaziadas. Ainda é sexta-feira, dia normal como outro qualquer. Mas brasileiros, que muitas vezes só enxergam o patriotismo em época de Copa, resolvem parar tudo. Quando não, tentam acompanhar de alguma forma a narração da partida.

Fiquei feliz com as Olimpíadas de Atenas, quando não houve a participação da seleção masculina de futebol e pudemos acompanhar os outros esportes. Corrigindo, quem quis acompanhar. Muitos nem se deram ao trabalho, já que não estava ali a seleção. Bom exemplo disso é que há poucos dias a Daniele Hypolito ganhou duas medalhas, sendo um ouro, em uma competição importante da Ginástica Artística e nada se viu. A mídia se focou na África. O resto é resto. Quem se importa...

Queria ver esse empenho na copa - em organizar festas, enfeitar ruas e vibrar de orgulho - em outros períodos, principalmente no eleitoral. Afinal, eleições são mais importantes que 22 jogadores correndo atrás da pelota. Este ano, está valendo o cargo máximo do país que tanto ouço reclamações, mas que ninguém se empenha em vibrar e torcer por um futuro melhor. Queria ver essa energia empregada em mudar o mundo. Será que dá?

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Retorno de Saturno

Passei vinte e nove meses num navio
E vinte e nove dias na prisão
E aos vinte e nove, com o retorno de Saturno
Decidi começar a viver.

Vinte e Nove – Legião Urbana

As vésperas de completar um ano saturniano, que equivale a 29 anos terrestres, comecei a pensar em várias facetas da vida. Principalmente na tal crise dos 30 e que muitos dizem que chega aos 29. Isso me faz tentar entender o porquê de tantas mudanças. Sei que há ligações com à astrologia e mitologia, afinal, Saturno é o deus romano do tempo. Mas muito mais com a sociedade que nos cerca.

Em uma rápida visita ao Google e digitando palavras-chave para o que estava interessado em ver, creio pude enxergar alguns motivos que te levam a repensar, por este perídio na vida, nas coisas que se almeja. A astrologia explica que por volta dos 28-30 anos, o planeta Saturno completa toda a volta no Zodíaco, chegando ao ponto inicial de quando a pessoa nasceu. Seria um novo renascimento astral?

Acredito que muita gente repensa nas atitudes anteriormente tomadas quando chegam nesta idade não (só) por questões astrológicas, mas pelo contexto histórico-social. Quem nunca escutou um familiar (escolha o seu) falando que, quando tinha 28/29 anos, já estava casado, com filhos, casa própria? Era uma idade que se esperava a estabilidade, as definições de papéis sociais e, até mesmo, suas inversões.

Hoje, tudo é muito diferente. Ninguém mais analisa a sociedade alterada, em que há surgimentos diários de novos conceitos, de novas expectativas. O homem está (bem) diferente daquele de 20/40/60 anos atrás. Não há como comparar. Nossa sociedade modernizada preconiza novas atitudes. Era impensável um casal decidir não ter filhos nos anos 40. Hoje, é muito comum. E ninguém reclama (abertamente).

Li um artigo astrológico sobre o retorno de Saturno. Muito do que ele mencionava sobre os anseios, os desejos, as vivências, a nova sociedade te impõe mais cedo. Daqui a um tempo não será o Saturno o regente das crises pessoais e sim Mercúrio, com seu ano de 88 dias terrestres. Hoje, já aos cinco anos, as crianças são cobras com o que vão ser quando crescer não mais como uma brincadeira. Os pais já vão pensando na melhor escola que vai ajudar a passar no vestibular para a melhor faculdade. E por ai vai.

Fico feliz de ter nascido 29 anos atrás e que isso me permitiu ter uma infância. Correr na rua, subir em árvores, fazer amigos, pular corda, construir meus brinquedos, ouvir músicas infantis de qualidade. Hoje, o comportamento é diferente. A criança não quer ser mais (tão) criança. E acho que nem devemos cobrá-las por determinadas atitudes. Elas fazem parte de nossa nova sociedade, que a cada dia adquire uma nova feição.

Olho para trás e não me arrependo de nada (ou de pouca coisa). Estou feliz com as atitudes que tomei e que venho tomando, principalmente nos últimos anos. Quebrar a cara faz parte do joguete da vida. Resta-nos tirar o melhor proveito disso tudo, das boas e das más escolhas. Não sei onde vou estar daqui a cinco anos, mas sei o que devo buscar para me manter feliz. Haverá pedras neste caminho? Sempre. Mas não as temo.